Curioso

Tartarugas e outras formas de vida marinha estão morrendo em uma mancha de óleo brasileira e os cientistas não conseguem explicar

Spread the love

Outro desastroso vazamento de óleo contaminou as águas do mundo e deixou a vida selvagem sofrendo – e desta vez ninguém sabe exatamente como começou.

De acordo com a Associated Press , o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis ​​(Ibama) anunciou quinta-feira que havia identificado 105 vazamentos de petróleo de origem indeterminada. Os derramamentos poluíram as águas do mar e as praias da costa nordeste do Brasil e já afetam a vida marinha ao redor.

Relatórios de ambientalistas documentaram tartarugas marinhas completamente cobertas de óleo cru. Pelo menos uma das tartarugas afetadas foi levada para um centro de reabilitação, enquanto outras sete já morreram devido à contaminação do óleo.

“Nunca tivemos um acidente como esse no Brasil … É a primeira vez que vemos um acidente de origem indeterminada afetando tantos estados”, disse Fernanda Pirillo, coordenadora do Ibama, à Agência Brasil.

 

Os derramamentos de óleo cru afetaram 46 municípios em oito estados diferentes, incluindo Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba. Na região Nordeste, o único estado que até agora evitou a contaminação pelos derramamentos de óleo foi a Bahia.

Os derramamentos também poluíram vários destinos de praia populares, como a praia de Jericoacoara e a Praia da Pipa, fazendo com que o Ibama alertasse turistas e pescadores para evitar essas áreas.

A análise molecular do óleo dos derramamentos da estatal Petrobas determinou que o óleo não era produzido no Brasil, mas sim de uma única fonte.

Qual é a fonte permanece um mistério para funcionários do governo, que estão trabalhando com os trabalhadores da Petrobas, a Marinha do Brasil e o corpo de bombeiros da capital, Brasília, para descobrir de onde estão vindo os vazamentos.

Os derramamentos foram detectados pela primeira vez no início de setembro e agora se estendem por 932 milhas ao longo da costa nordeste do Brasil.

Uma equipe de cerca de 100 pessoas foi enviada para trabalhar na operação de limpeza. Até o momento, o Ibama afirmou que os derramamentos de óleo parecem estáveis, mas os investigadores já estão mudando o foco para o estado amazônico do Maranhão, que fica próximo à fronteira com a Guiana Francesa, para conter a propagação.

O mistério em torno da origem dos derramamentos de petróleo tem alarmado ambientalistas como Anna Carolina Lobo, coordenadora do programa marinho da organização de conservação WWF no Brasil, que teme que os recursos do Brasil por si só não consigam localizar a origem dos derramamentos.

“A vigilância em nossas águas, não importa se foi um derramamento intencional ou não intencional, é muito frágil para um país tão grande”, disse Lobo. “O Brasil tem poucos barcos e analistas para acompanhar o que acontece em nossas águas.”

Óleo na praia brasileira

Adema / Governo de SergipeInúmeras poças de óleo cru contaminam uma praia sergipana.

Além da falta de recursos para administrar o derramamento de óleo, o financiamento para os esforços de preservação ambiental já diminuiu sob a atual administração do presidente Jair Bolsonaro, que é um auto-declarado antiambientalista e foi apelidado de “Capitão Motosserra” por seus oponentes.

O afrouxamento das regulamentações ambientais de Bolsonaro colocou a Amazônia e seus habitantes em risco.

Embora não seja estranho às críticas de defensores do meio ambiente, o presidente brasileiro recentemente foi criticado depois que as queimadas em massa na Amazônia chamaram a atenção do mundo. Os recentes derramamentos de óleo são apenas a última catástrofe ambiental que atingiu o país sul-americano.

Por enquanto, o Ibama pede aos banhistas que alertem as autoridades sobre tartarugas ou outros animais cobertos pelo óleo. Eles também escreveram que esses animais não devem ser lavados ou devolvidos ao mar antes de uma avaliação veterinária adequada.

Em uma nota positiva, não parece haver qualquer contaminação dos peixes e crustáceos que vivem nas áreas afetadas até agora, mas pode ser apenas uma questão de tempo antes que eles sejam contaminados também se a fonte do petróleo bruto for não encontrado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *